Guia: Como criar uma loja virtual em 7 passos

atualizado em

como criar uma loja virtual

Motivos não faltam para criar uma loja virtual. O mercado de e-commerce bate recordes de venda a cada ano, e mesmo com os períodos de crise as perspectivas para o futuro são promissoras. Por esse motivo muitos empreendedores querem montar uma loja virtual de sucesso. Para isso, é preciso saber quais erros evitar e quais as melhores práticas para garantir o retorno do investimento e o sucesso do negócio. Se você é um destes empreendedores que ainda não sabem como montar uma loja virtual altamente lucrativa, este post é para você!

Para te ajudar na criação do seu e-commerce, sugiro que você também faça o download gratuito do nosso Checklist:

1. Tenha um planejamento estratégico

O primeiro passo para criar uma loja virtual é entender como será seu funcionamento e compreender cada etapa de sua implantação. Com um planejamento cuidadoso, serão maiores as chances de sucesso, além de diminuir o risco de ser surpreendido com imprevistos. Para abrir sua loja virtual, você terá de avaliar com cuidado:

1.1. Defina o segmento de atuação

Determinando o segmento de atuação, você será capaz de verificar quais os concorrentes diretos e indiretos. É interessante que você analise a estrutura de cada um deles, bem como as ações realizadas para promoção de seus produtos e serviços. Busque entender como funciona o processo de compra, pagamento e entrega de produtos de cada um deles e use esse conhecimento a favor de sua loja virtual.

1.2. Conheça o público

De nada adianta conhecer seus concorrentes a fundo sem compreender o comportamento de consumo de seus fututos clientes. Quanto mais você conhecer sua buyer persona – seu cliente ideal – melhor será sua comunicação e mais assertivos os argumentos de venda. Se você não conhece este público, pode realizar pesquisas de mercado, consultar especialistas no setor ou procurar por pesquisas com informações mais precisas sobre cada um deles.

1.3 Conheça as ferramentas disponíveis

Ao montar sua loja virtual você também deverá levar em consideração as ferramentas e tecnologias indispensáveis para o funcionamento dela. Quanto mais opções você conhecer, mais acertadas serão suas decisões estratégicas. Os serviços que você precisa conhecer bem são:

  • Serviço de hospedagem

saiba quais são as opções para a hospedagem da sua loja virtual, como será a gestão de dados, onde serão salvos seus conteúdos e arquivos, além da própria plataforma e-commerce. É importante pesquisar a melhor opção para que sua loja esteja sempre no ar e seus dados estejam seguros.

  • Plataforma de e-commerce

A plataforma é um dos elementos mais importantes de uma loja virtual, pois é o sistema que garantirá o funcionamento da loja, além de gerenciar os produtos e preços de cada um deles. Você pode optar por usar uma plataforma gratuita, comprar um sistema personalizado ou mesmo pagar uma mensalidade para usar uma plataforma.

  • Serviço de frete

O preço do frete pode impactar muito no sucesso de sua loja virtual, portanto escolha um parceiro com preços competitivos, mas não esqueça da qualidade, mesmo que o cliente seja quem irá arcar com os custos de entrega.

  • Divulgação da loja

De nada adianta uma loja bem estruturada se você não a divulga corretamente para seus clientes. Separe uma verba mensal para essa divulgação e avalie as opções disponíveis para sua empresa, como as campanhas de Adwords, e-mail marketing e até mesmo marketing de conteúdo.

  • Custos para abrir uma loja virtual:

Ao planejar a criação de sua loja virtual é essencial que você leve em consideração todos os custos envolvidos na criação do negócio. Pense não apenas nos custos iniciais de aquisição de produtos ou os investimentos na criação da loja, mas também nos custos de manutenção mensal e o capital de giro, que será indispensável para manter o negócio funcionando nos meses iniciais.

2. Defina quais produtos você irá vender online

Uma das maiores dificuldades que o empreendedor digital enfrenta ao abrir uma loja virtual é decidir quais produtos irá comercializar. Por conta dessa indecisão, muitos acabam cometendo um erro fatal: criam uma loja com muita variedade de produtos, exigindo altos investimentos em estoque, armazenamento e distribuição, prejudicando os lucros da empresa.

Por esse motivo, o ideal é escolher um tipo de produto como carro-chefe de sua loja, concentrando sua energia e foco para promovê-lo e, com o tempo, conquistar uma maior fatia do mercado. Para escolher o tipo de produto que você irá vender em sua loja virtual, é necessário ficar atento a alguns aspectos:

2.1. Conheça o produto que irá vender

Quanto maior o conhecimento que você tiver sobre o produto que pretende vender, maiores são as chances de sucesso. Conhecer o produto irá ajudá-lo não apenas para criar campanhas promocionais que falem diretamente para seu cliente, mas também a desenvolver sua autoridade diante do público, facilitando até mesmo a negociação com fornecedores e prestadores de serviço. Além disso, o conhecimento profundo do produto garante que você use os melhores argumentos de compra para seus clientes.

2.2. Avalie os concorrentes do mercado

Outro aspecto importante para escolher o produto é avaliar a concorrência que você vai enfrentar. Quanto maior for a concorrência, maior será a dificuldade de oferecer os melhores preços para os clientes, além de dificultar o posicionamento nas buscas orgânicas e até mesmo os investimentos no Google Adwords.

2.3. Avalie se o produto é fácil de vender ou transportar

Você pode até dominar todos os detalhes e enfrentar um mercado de baixa concorrência, mas se esse produto tiver custos de transporte muito elevados, ou mesmo um processo de vendas muito delicado, o sucesso de sua loja virtual poderá ser prejudicado. Por isso, avalie todas as variáveis, levando em consideração os riscos de transporte, principalmente para produtos frágeis e perecíveis.

2.4. Entenda qual é o diferencial de seu produto

Sua loja precisa desenvolver um diferencial perante os concorrentes, caso contrário você será apenas mais uma algo que chame a atenção e justifique a escolha do cliente por sua empresa. Lembre-se que o diferencial vai além de preços baixos, podendo ser também a qualidade de atendimento, a rapidez ou mesmo o grau de especialidade e domínio das características básicas do produto.

3. Compre um domínio

O domínio é o endereço de sua loja virtual. Esse é um investimento indispensável, pois sem ele, será muito mais difícil que seu cliente encontre sua loja online. Antes de escolher o domínio de seu e-commerce, é preciso levar em consideração alguns aspectos para não prejudicar seus resultados, nem se arrepender depois:

3.1. O domínio de sua loja virtual deve ser curto e simples

Um domínio curto colabora muito para o sucesso de sua loja virtual, uma vez que é mais fácil de memorizar e diminui as chances de seu cliente errar na digitação ao tentar acessá-la. Corra também dos estrangeirismos, evitando o excesso de consoantes. Se possível, use sílabas repetidas ou que rimam, facilitando ainda mais a memorização para seu cliente.

3.2. Busque originalidade

Muitos empreendedores caem na tentação de usar como endereço de sua loja virtual um nome parecido com outra empresa já estabelecida no mercado. Com essa estratégia você pode até conseguir vender para alguns clientes desatentos, mas no geral o que você estará fazendo é promovendo o seu concorrente mais famoso.

Além disso, usando um nome parecido com seu concorrente você estará passando a impressão de que sua loja é uma mera cópia, minando sua credibilidade e a confiança dos consumidores em sua marca. Pode dar mais trabalho num primeiro momento, mas o ideal é que você construa sua própria identidade, conquistando aos poucos o mercado e a preferências dos consumidores.

4. Escolha uma plataforma

Essa é, talvez, a decisão mais importante que o empreendedor irá tomar ao montar uma loja virtual. Isso porque a plataforma de e-commerce é a base para a sua loja. Existem três tipos de plataformas no mercado: gratuitas, de código alugadas e pagas.

4.1. Plataformas de e-commerce gratuitas

As plataformas de e-commerce gratuitas não possuem taxa de adesão e podem ser utilizadas livremente por qualquer empresa. Porém, elas possuem uma série de limitações, seja no layout ou mesmo no número de produtos a cadastrados, atrapalhando o sucesso da loja depois de estabelecidas.

É comum ver plataformas gratuitas que cobram uma comissão por cada venda gerada, aumentando consideravelmente os custos de manutenção de sua loja virtual. Além disso, há plataformas que são gratuitas apenas por um tempo, exigindo pagamento para continuar usando depois do período de teste.

Ao escolher o tipo de loja que você vai contratar, lembre-se: você pode começar pequeno, mas é preciso que a plataforma escolhida consiga acompanhar o crescimento da sua loja com o tempo. Do contrário você terá custos extras e, em muitos casos, será obrigado a criar uma nova loja do zero. Leve este aspecto em consideração antes de contratar uma plataforma gratuita.

4.2. Plataformas de e-commerce alugadas

Plataformas de e-commerce alugadas são aquelas que oferecem toda uma infra-estrutura para o funcionamento da loja virtual através do pagamento de uma mensalidade para sua utilização. Além de permitirem alterações de layout e o uso de diversas funcionalidades específicas para uma loja virtual, o preço pago para o uso é relativamente pequeno, sendo uma boa opção para qualquer empreendedor que esteja iniciando.

4.3. Plataformas de e-commerce próprias

Uma plataforma de e-commerce própria é aquela criada exclusivamente para atender as necessidades de sua loja virtual. Pode ser uma plataforma e-commerce open source ou uma plataforma totalmente nova. Essa opção é a mais flexível, porém a mais cara e a que carrega maior risco. Na maioria dos casos a loja será desenvolvida do zero para você e dificilmente um terceiro conseguirá dar continuidade ao seu projeto caso tenha algum desentendimento com o fornecedor escolhido.

Outro fator importante é a infra estrutura da sua loja, pois você terá que contratar e manter os servidores onde sua loja virtual está hospedada. Porém, por serem criadas para atender necessidades específicas de uma loja virtual, as plataformas e-commerce próprias costumam exigir um investimento maior para uso, justamente por serem ajustadas de acordo com o projeto de cada cliente.

5. Tenha um servidor

O servidor é o local onde a plataforma de gestão de sua loja virtual será instalada, gerenciando todos os clientes cadastrados, suas transações e o histórico de compras de cada um deles. De uma maneira geral, existem três opções de servidores para as lojas virtuais: os servidores compartilhados, os dedicados e os de alta disponibilidade.

5.1. Servidores compartilhados

Os servidores compartilhados são alternativas mais baratas para o armazenamento dos sites pois, como o próprio nome diz, são divididos com outros sites na internet, assim, a capacidade de tráfego também é compartilhada. Atualmente, já é possível isolar os recursos do servidor de modo que um site não influencie outro mesmo estando em ambiente compartilhado.

Com a limitação do uso dos recursos do servidor, a tendência é que o desempenho da loja fique comprometido. Por se tratar de um modelo mais simples de hospedagem, limitações em relação à capacidade de armazenamento e recebimento de acessos simultâneos são comuns. É uma opção indicada apenas para iniciantes, devido às limitações e baixo investimento necessário.

5.2. Servidores dedicados

Um servidor dedicado é uma opção mais robusta de armazenamento, onde toda a capacidade de processamento e armazenamento é direcionada apenas para a sua loja virtual. Com isso, são menores as chances de sua loja sair do ar caso tenha um grande volume de acessos simultâneos, justamente por ter toda a estrutura dedicada para ela, garantindo maior segurança e estabilidade. Em contrapartida, o investimento necessário é muito superior ao servidor compartilhado. Por isso, é indicado para lojas virtuais já estabelecidas, capazes de arcar com estes custos.

5.3. Soluções de hospedagem de alta disponibilidade

As soluções de hosting de alta disponibilidade não estavam acessíveis ao grande público até pouco tempo. O crescimento da computação em nuvem e o surgimento de soluções IaaS (Infraestrutura como Serviço) como Amazon AWS, Microsoft Azure e Google Cloud, permitiram que mais empresas pudessem oferecer essa solução para seus clientes.

Nessa modalidade, toda a infraestrutura é arquitetada para que não haja pontos únicos de falha. Todos os serviços são disponibilizados de modo que, se algum servidor falhar, outro entra em seu lugar imediatamente, e a loja nunca deixará de estar online. Com essa opção, é possível realizar o escalonamento horizontal da infraestrutura, permitindo a criação de novos servidores automaticamente para casos de picos de acesso.

Normalmente presente em soluções para e-commerce, essa opção é a mais segura, robusta e moderna para se usar em uma loja virtual atualmente. Possui, sem dúvidas, o melhor custo x benefício entre as três. Na JN2 utilizamos a hospedagem de alta disponibilidade para todas as lojas virtuais, numa solução inovadora que une os melhores aspectos das plataformas alugadas e próprias.

6. Escolha um meio de pagamento

O objetivo de qualquer loja virtual é a realização de vendas. Por esse motivo, é preciso que seu e-commerce tenha não apenas uma estrutura capaz de gerenciar as vendas, mas também capaz de conectar a loja virtual à uma instituição financeira que efetive a compra, sem a necessidade de intervenção humana. Para isso, existem os facilitadores e gateways de pagamento.

6.1. Gateways e facilitadores de pagamento?

A diferença entre eles é fácil de compreender: Enquanto o gateway liga sua loja virtual diretamente a uma instituição financeira, um facilitador de pagamento coleta, processa e liquida as transações, sem exigir o redirecionamento do cliente para um ambiente externo ao website. Já os facilitadores de pagamento fazem isso, levando os clientes para esta página externa de pagamento. Desta forma, podemos dizer que um gateway é a escolha indicada para lojas com um grande volume de vendas.

6.2. Chargeback?

Trata-se de um conceito importante, não apenas para as transações realizadas em lojas virtuais, mas para todo processo de venda realizado através de cartão de crédito. O chargeback, é o cancelamento da venda feita com cartão, muito comum em fraudes financeiras. É importante destacar que, quando você utiliza um gateway para realizar as vendas, a eventual devolução dos fundos, assim com o prejuízo, devem ser arcados por sua loja virtual, enquanto os facilitadores de pagamento, geralmente, assumem o risco.

Outro aspecto importante é que, justamente por arcar com os possíveis prejuízos de fraudes, os facilitadores de pagamento possuem taxas mais altas que os gateways. Para que sua loja virtual tenha sucesso, é indispensável que ofereça várias opções de pagamento, como cartão de crédito, débito automático, boleto, transferência eletrônica e tantos outros quanto for possível. Por isso, você precisa pesquisar pelas formas de pagamento disponíveis no mercado, além de avaliar as diferenças entre gateways e os facilitadores de pagamento.

É preciso levar em consideração dois aspectos antes de escolher o serviço de gestão do pagamento de sua loja, estes detalhes são essenciais para evitar problemas com a plataforma de pagamento escolhida. São eles:

  • A facilidade de integração com sua loja virtual

Antes de escolher uma plataforma de pagamento para sua loja virtual, avalie a facilidade  de integração. Se esse processo gera inconsistências ou possui funcionalidades compatíveis com as principais soluções de e-commerce disponíveis no mercado nacional.

  • As soluções de gestão das transações

Ao escolher a plataforma de pagamento para sua loja virtual, avalie se ela oferece um sistema de notificações eficiente, gerando informações sobre a finalização de transações, informando sobre possíveis motivos de recusa de pagamento, reconciliação e etc.

7. Promova sua loja

Com a sua loja virtual pronta, é hora de montar uma estratégia de marketing capaz de atrair o perfil de cliente ideal, ajudando a conquistar seu objetivo final: as vendas. É preciso pensar, não apenas em estratégias para atrair o público, mas também, criar estratégias para mantê-lo navegando entre as opções oferecidas por você. Pensando nisso, listamos abaixo algumas ações de marketing indispensáveis para o sucesso de sua loja virtual:

7.1. Anúncios no Google Adwords

Os anúncios no Google Adwords podem ser a opção mais rápida para gerar tráfego para sua loja virtual. Após configurar sua campanha e determinar o quanto pretende pagar por cada clique, o Google passa a exibir anúncios da sua página, ajudando na geração de tráfego, especialmente nos momentos iniciais de sua loja virtual.

Porém é importante destacar que, apesar de gerar um grande volume de tráfego, cada clique feito nos anúncios é pago por você. Portanto, todos os aspectos relacionados a ele, como palavras-chave, texto e até mesmo a página de destino devem ser constantemente otimizados. Do contrário, você pode ter altos gastos com pouco retorno.

7.2. Search Engine Optimization (SEO)

Investir em SEO é essencial caso você não queira depender apenas dos anúncios do Google para aparecer nos resultados de busca. Por esse motivo, é indispensável que sua loja virtual siga as melhores práticas de otimização em SEO, como a produção de conteúdo relevante em cada página, o uso correto das tags H1, H2 e demais detalhes do HTML do site, além de uma estratégia de link building.

7.3. E-mail Marketing

Após atrair o público para seu site, o e-mail marketing é uma excelente ferramenta para mantê-lo engajado, retornando sempre, ao ser notificado sobre uma promoção ou lançamento de produto. Mas para que sua estratégia de e-mail marketing alcance os resultados esperados, é indispensável que você ofereça em sua loja virtual opções para que seus usuários assinem sua newsletter e acompanhem os lançamentos de sua loja. Feito isso, você poderá se comunicar com regularidade, fazendo com os clientes retornem.

7.4. Promoção nas redes Sociais

A promoção nas redes sociais também é outra excelente ferramenta para aproximar sua loja virtual do público-alvo. Neste canal você será capaz de promover os produtos comercializados, incentivar a promoção espontânea de seu e-commerce, e principalmente, criar relacionamento com o seu público, reforçando o branding da sua marca.

Você deve ter notado como montar uma loja virtual de sucesso exige um bom planejamento. Estabelecer sua marca online utilizando as melhores práticas do mercado, como demonstrado neste post, poderá fazer toda a diferença para garantir o sucesso de seu negócio. Agora que você já sabe os principais passos para se tornar um empreendedor de e-commerce, clique aqui e fale com um expert.

Você também pode se interessar