Plataforma de lojas virtuais: saiba como escolher a sua

atualizado em

Plataforma de lojas virtuais
Você decide abrir uma loja virtual, começa a estudar o mercado e pesquisa no Google “abrir loja virtual”. São muitas opções e promessas, desde lojas gratuitas prontas em 2 minutos à plataformas mais robustas e caras, sem falar nas que levam meses para ficar prontas. O que, em primeiro momento, parecia algo simples, começa a ficar complexo dada a enorme quantidade de variáveis envolvidas no processo. São muitas opções, preços com ampla variação, questões técnicas envolvidas e produtos muitas vezes intangíveis. E então, como avançar rumo à melhor escolha?
Primeiro você precisa planejar. No mínimo você deve refletir sobre fatores como:
  • Quais produtos começar a vender e como e em qual momento aumentar o portfólio?
  • Quais são as características especiais do catálogo de produtos?
  • Qual é o público-alvo?
  • Em qual a região geográfica concentrar os esforços de marketing?
  • Qual a projeção de faturamento para 03, 06, 12 e 24 meses de operação?
  • Quanto investir em marketing?
  • Quanto investir na plataforma de e-commerce?
  • Qual o capital total disponível para esse projeto?
Depois de refletir sobre essas questões, ficará muito mais fácil escolher a plataforma de e-commerce mais adequada para a sua operação. É natural que você tenha dificuldades em algumas questões, portanto, é sempre aconselhável procurar por ajuda profissional. Uma dúvida que não sai da sua cabeça pode ser uma questão simples de ser resolvida por um especialista. Para facilitar o processo de seleção de uma plataforma de lojas virtuais, vamos dividir as soluções em três grandes grupos:

1. Plataformas proprietárias

Já estão prontas e são comercializadas no modelo SaaS (Software as a Service) com baixo custo de aquisição e manutenção. São lojas cujo código-fonte pertence ao fornecedor, que cede ao lojista o direito de utilização do software de e-commerce em troca de uma mensalidade.

2. Plataformas open-source

Trata-se de um software livre, que deve ser customizado por empresas especializadas. O prestador de serviço contratado entenderá a necessidade do cliente e trabalhará para que a loja virtual seja entregue de acordo com as expectativas, tanto em relação aos recursos disponíveis, quanto à usabilidade, design, capacitação e prazo. A principal plataforma nessa categoria é o Magento. Esse é o tipo de solução que a JN2 oferece.

3. Plataformas proprietárias sob demanda

Esse tipo de solução traz algumas características também encontradas nos itens anteriores, por exemplo: assim como no item 1, trata-se de uma loja virtual cujo código-fonte foi desenvolvido pelo próprio fornecedor e, assim como no item 2, o desenvolvimento é feito de acordo com a demanda do cliente, ou seja, desenvolve-se uma loja personalizada, não engessada.  Por não ser open-source, a evolução dessa plataforma tem uma grande dependência do fornecedor e o custo de personalizações costuma ser bem alto, pois o desenvolvimento parte muitas vezes do zero.
Cabe ressaltar que todas essas soluções tem prós e contras e não existe “a melhor plataforma de e-commerce”, mas aquela que é mais adequada para seu negócio.  Para saber mais sobre a Plataforma JN2 clique aqui e conheça nossos planos e preços.


Você também pode se interessar